CidadesComeçam

PLANTÃO /

Começam obras do Pacto pelo Saneamento em Maricá

Tamanho da fonte: A- A+ 20/06/2013 - 08:02

Um dos projetos mais aguardados pela população de Maricá teve início esta semana. Operários das empresas que compõem o consórcio ‘Saneando Maricá’ trabalham nas primeiras obras do "Pacto pelo Saneamento". As obras estão concentradas inicialmente na Rua Estanilal Caminha Sampaio, na Mumbuca. As equipes começaram a instalação de redes de esgotamento sanitário que chegarão a outras doze ruas do bairro e a mais seis em Araçatiba, num total de 16 quilômetros de rede.

De acordo com a Coordenadoria de Projetos da Prefeitura de Maricá, a primeira etapa dos investimentos inclui ainda a instalação de uma nova estação de tratamento de esgotos, entre a Mumbuca e o Parque Eldorado, além de quatro quilômetros de tubulação até a Barra e a ligação a um emissário submarino, que terá com a mesma extensão. O local onde a ETE será erguida ainda está sendo definido.

Os moradores do bairro estão sendo orientados pelos técnicos do consórcio a não realizarem ainda nenhuma ligação de esgoto com a nova rede. A Secretaria de Obras informou que, tão logo o trabalho de implantação das redes esteja concluído, cinco ruas da Mumbuca (Estanilal Caminha Sampaio, Antônio dos Santos Bittencourt, Maria Augusta Bittencourt, Elvira Silva e Dona Paulina) serão pavimentação.

As intervenções vão beneficiar a região do centro de Maricá e estão orçadas em R$ 60 milhões, com verbas da Petrobras e do Governo do Estado. O lançamento oficial está previsto para a próxima terça-feira com a presença do secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc.

Termo de Compromisso

A assinatura do termo de compromisso do Pacto pelo Saneamento ocorreu em março de 2012 na sede do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), no Rio, com as presenças do prefeito Washington Quaquá, do secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, da presidente do Inea, Marilene Ramos, e do diretor de abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa.

Na ocasião, a Petrobras assinou um convênio de R$ 60 milhões como contrapartida à construção do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), que inclui o emissário de efluentes químicos do complexo, cuja rota passa pela cidade. Segundo declarou na época o secretário Carlos Minc, as exigências ambientais para o material que será transportado pelo emissário serão as mais rigorosas possíveis.

Emissário vai renovar vida marinha, garante coordenadora

O projeto prevê a implantação das redes em nove bairros do 1º distrito (Centro, São José do Imbassaí, Retiro, Itapeba, Ubatiba, Araçatiba, Barra, Jacaroá e parte de Pedra de Inoã). O esgoto receberá tratamento e será transportado até Barra de Maricá e, depois, seguirá pelo emissário submarino, num total de 238 quilômetros de redes de coleta de esgoto e ligações domiciliares. As obras devem estar prontas num prazo de aproximadamente três anos.

Segundo a coordenadora de Projetos da Prefeitura de Maricá, a bióloga Luciana Andrade, o novo emissário não irá oferecer riscos à vida marinha na região. “Ao contrário do que se pensa, onde existem emissários submarinos a vida marinha também se renova. É também onde há mais peixes, que se alimentam de parte do que sai das tubulações após o tratamento ser feito. O mar ainda é a melhor saída para sanear”, destacou Luciana.


O FLUMINENSE