28
Qui, Maio

A Agência de Fomento do Estado do Rio (AgeRio) pode ser autorizada a refinanciar as parcelas dos veículos utilizados pelos taxistas, motoristas de aplicativos - Foto: Divulgação

A Agência de Fomento do Estado do Rio (AgeRio) pode ser autorizada a refinanciar as parcelas dos veículos utilizados pelos taxistas, motoristas de aplicativos e pelos permissionários do Departamento de Transporte Rodoviário do Estado (DETRO), integrantes do Sistema Intermunicipal de Transporte Alternativo Complementar. A determinação é dos projetos de lei 2.486/2020 (caso dos taxistas e motoristas de aplicativos) e 2.487/2020 (permissionários), que a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou, em discussão única, nesta segunda-feira (25/05). As duas propostas seguirão para o governador Wilson Witzel, que tem até 15 dias úteis para sancioná-las ou vetá-las.

As duas medidas valerão somente para as parcelas vencidas durante os meses de vigência do estado de calamidade em decorrência do coronavírus. Em todos os casos, as parcelas pagas pela AgeRio serão financiadas em até 12 meses após o encerramento do estado de calamidade, com carência mínima de 60 dias e juros máximos de 1% ao mês. O Poder Executivo deverá regulamentar as normas através de decretos.

Permissionários

O financiamento aos permissionários poderá ser garantido por até 20% do faturamento de cada permissionário junto ao sistema de pagamentos, na forma que o Poder Executivo regulamentar. O disposto na proposta apenas se aplicará a um financiamento automotivo por pessoa física.

A AgeRio também poderá oferecer as mesmas condições de financiamento das parcelas aos veículos integrantes dos sistemas municipais de transporte alternativo complementar, vinculadas às 92 prefeituras fluminenses, desde que estes sistemas sejam atendidos por pessoas físicas, microempreendedores individuais, microempresas ou empresas de pequeno porte, excluídas as empresas de transporte detentores de múltiplas linhas e veículos.

A proposta também autoriza àqueles permissionários cujo sistema de transporte adote pagamento eletrônico a realização de operação de antecipação de créditos futuros. Essa operação financeira poderá ser realizada junto a qualquer instituição financeira. A centralizadora do sistema de pagamentos eletrônicos atuará como interveniente da operação de cessão de créditos, devendo limitar a parcela a 30% da média histórica de faturamento do permissionário. A AgeRio poderá atuar como facilitadora do processo ou realizar diretamente as operações de crédito.

“Esta situação de saúde trouxe sérias consequências econômicas aos permissionários, seus motoristas auxiliares, taxistas e motoristas de aplicativos, não havendo como arcar com o custeio das prestações de seus veículos, instrumentos de trabalho, além das taxas e demais pagamentos inerentes às suas funções, como seguros, impostos, entre outros”, ressaltou o deputado Max Lemos (PSDB), autor original das duas propostas.

Outros 986 óbitos estão em investigação - Foto: Maurício Bazílio / GOV RJ

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) do Rio de Janeiro incluiu, nesta segunda-feira (25), mais 1.386 casos confirmados de covid-19 e 112 mortes provocadas pela doença. Dessa forma, o estado já registra 39.298 infectados e 4.105 óbitos.

A pasta ainda investiga outros 986 óbitos e 240 foram descartados. Até o momento, entre os casos confirmados, 31.687 pacientes se recuperaram da doença.

Por conta dos altos números atualizados diariamente, a SES esclareceu que essas mortes e casos confirmados não ocorreram nas últimas 24 horas. O que acontece é que a capacidade de analisar as amostras nos laboratórios aumentou, passando de 900 para 1,8 mil análises diariamente, o que aumenta a proporção de confirmação dos casos.

O boletim estadual, no entanto, apresenta algumas divergências nos números, se comparados aos divulgados pelos municípios. É o caso de Niterói, que no balanço do Estado aparace com 2.041 casos confirmados e 89 mortes. Na noite do último domingo, em live nas redes sociais, o prefeito Rodrigo Neves informou que a cidade registra 1.648 infectados e 93 óbitos.

Os casos confirmados pelo estado estão distribuídos da seguinte maneira, segundo a SES:

Rio de Janeiro – 22.466
Niterói – 2.041
Nova Iguaçu – 1.274
Duque de Caxias – 1.246
Itaboraí – 938
São Gonçalo – 922
Queimados – 870
São João de Meriti – 656
Angra dos Reis – 644
Campos dos Goytacazes – 588
Volta Redonda – 570
Belford Roxo – 554
Magé – 429
Mesquita – 429
Teresópolis – 414
Maricá – 383
Petrópolis – 280
Nilópolis – 260
Cabo Frio – 246
Rio das Ostras – 237
Paracambi – 223
Macaé – 213
Guapimirim – 171
Itaguaí – 161
Seropédica – 159
Três Rios – 153
São Fidélis – 143
São Pedro da Aldeia – 140
Barra Mansa – 126
Paraíba do Sul – 122
Resende – 121
Nova Friburgo – 120
Casimiro de Abreu – 107
Barra do Piraí – 99
Japeri – 87
Araruama – 85
Saquarema – 84
Piraí – 83
Mangaratiba – 81
Itaperuna – 79
São João da Barra – 79
Paraty – 71
Cachoeiras de Macacu – 66
Rio Bonito – 59
Bom Jesus de Itabapoana – 58
Iguaba Grande – 56
Tanguá – 54
Valença – 53
Santo Antônio de Pádua – 52
Pinheiral – 49
São Francisco de Itabapoana – 47
Rio Claro – 44
Itaocara – 43
São José do Vale do Rio Preto – 42
Vassouras – 37
Armação de Búzios – 34
Sapucaia – 33
Arraial do Cabo – 32
Quissamã – 30
Silva Jardim – 26
Porciúncula – 23
Italva – 21
Carmo – 20
Cambuci – 19
Miracema – 18
Mendes – 15
Areal – 14
Bom Jardim – 14
Cordeiro – 14
Conceição de Macabu – 13
Aperibé – 12
Miguel Pereira – 12
Natividade – 12
Paty do Alferes – 12
São José de Ubá – 11
Sumidouro – 11
Carapebus – 10
Cardoso Moreira – 10
Engenheiro Paulo de Frontin – 10
Itatiaia – 7
São Sebastião do Alto – 6
Cantagalo – 5
Porto Real – 5
Rio das Flores – 5
Santa Maria Madalena – 5
Macuco – 4
Quatis – 4
Varre-Sai – 4
Comendador Levy Gasparian – 3
Laje do Muriaé – 3
Município em investigação – 7

 

As 4.105 vítimas da covid-19 no estado foram registradas nos seguintes municípios:

Rio de Janeiro – 2.831
Duque de Caxias – 187
Nova Iguaçu – 142
São Gonçalo – 92
Niterói – 89
Belford Roxo – 85
Magé – 76
São João de Meriti – 67
Itaboraí – 61
Mesquita – 46
Itaguaí – 31
Petrópolis – 31
Nilópolis – 29
Volta Redonda – 25
Angra dos Reis – 23
Teresópolis – 22
Maricá – 20
Macaé – 18
Campos dos Goytacazes – 16
Barra do Piraí – 14
Nova Friburgo – 14
Tanguá – 13
Cabo Frio – 12
Rio das Ostras – 12
Iguaba Grande – 11
Paracambi – 11
Queimados – 10
Barra Mansa – 9
Resende – 9
Guapimirim – 7
Cachoeiras de Macacu – 6
Casimiro de Abreu – 6
Japeri – 6
Rio Bonito – 6
Saquarema – 6
São Francisco de Itabapoana – 5
Paraíba do Sul – 4
São Pedro da Aldeia – 4
Sapucaia – 4
Seropédica – 4
Araruama – 3
Itaocara – 3
Mangaratiba – 3
Paraty – 3
Paty do Alferes – 3
São João da Barra – 3
Silva Jardim – 3
Valença – 3
Arraial do Cabo – 2
Bom Jardim – 2
Bom Jesus de Itabapoana – 2
Piraí – 2
Vassouras – 2
Carapebus – 1
Engenheiro Paulo de Frontin – 1
Italva – 1
Mendes – 1
Miguel Pereira – 1
Santo Antônio de Pádua – 1
Três Rios – 1

Serão destinadas 8.000 cestas de alimentação às famílias - Foto: Divulgação

Apoiada pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SEAPA), a Emater-Rio firmou uma parceria com a Fundação Banco do Brasil (FBB) para a distribuição de cestas básicas para famílias em situação de vulnerabilidade social causada pela Pandemia do Novo Coronavírus. Com a assistência técnica da Emater-Rio, a FBB vai comprar os produtos de agricultores familiares de Nova Friburgo, Teresópolis, Sumidouro e Carmo, para fazerem parte de uma cesta com alimentos não perecíveis e da agricultura familiar, ajudando o produtor a ter mais uma forma de escoar a produção e levando alimento de qualidade para quem neste momento de crise está sem condições de garantir a renda familiar.

A iniciativa tem o apoio da BB Seguros e o banco BV, empresas do conglomerado Banco do Brasil, além da cooperativa de crédito COOPERFORTE, que destinaram recursos à Fundação Banco do Brasil para ações de assistência social, prevenção e combate a pandemia da Covid-19. Também são parceiros do projeto as agências do Banco do Brasil de Teresópolis e Nova Friburgo.

Os termos de compromisso com a Fundação Banco do Brasil foram assinados pela Associação Serra Velha dos Trabalhadores Rurais do Município de Nova Friburgo (Asvtr-Nf) e pela Cooperativa Agrícola de Capacitação e Geração de Renda da Microbacia do Rio Vieira (CoopVieira). Para a presidente do Conselho dos Dirigentes das Organizações Rurais de Nova Friburgo (Conrural), Pâmela Aparecida Costa da Silva, o projeto veio em um momento de dificuldade para os produtores.

"Nós recebemos a proposta do projeto pela Emater-Rio. E nós sabemos que vai ser um desafio e um momento muito importante para os produtores rurais. O que a gente quer neste momento, é beneficiar o maior número de produtores e ajudar as famílias que estão em dificuldades porque perderam seus empregos e estão em situação de vulnerabilidade. Essa parceria vai ser muito boa, tanto para o produtor, que vai ter uma nova alternativa para escoar sua colheita, quanto para quem vai receber as cesta", disse Pâmela.

Também participam do projeto a Associação dos Pequenos Produtores Rurais da Comunidade Janela das Andorinhas (APROJAN), Associação de Moradores e Pequenos Produtores Rurais da Microbacia Hidrográfica de Lúcios e Comunidades Vizinhas (APROLUC), Associação dos Produtores e Artesãos de Mottas e Regiões Adjacentes (APA MR MOTAS) e a Associação dos Produtores Rurais e Moradores de Dona Mariana (APRUDMA).

Ao todo serão destinadas 8.000 cestas de alimentação para doação a 4.000 famílias em situação de vulnerabilidade em um período de três meses.

As famílias que vão receber as cestas de alimentos da agricultura familiar são trabalhadores informais, que no momento, estão sem a possibilidade de gerar renda, identificados nas áreas rurais e urbanas das cidades da Região Serrana do Rio de Janeiro. Entre as famílias estão trabalhadores rurais, meeiros e parceiros da Floricultura, atividade rural mais afetada pela atual crise.
Essas famílias serão selecionadas pelas prefeituras de Nova Friburgo, Teresópolis, Sumidouro e Carmo. Sendo 2.000 em Nova Friburgo, 1.500 em Teresópolis e 500 em Sumidouro e Carmo.

As cestas serão compostas por produtos de hortifrúti como: abóbora, batata-doce, inhame, cebola, alface, brócolis, repolho, tangerina, caqui e um embutido.
Produtos de mercearia, arroz, feijão preto, sal, manteiga, pão e farinha de mandioca.
Além do kit de higiene e proteção com, sabão em barra, detergente e água sanitária.

O secretário de Agricultura do estado do Rio de Janeiro, Marcelo Queiroz, acredita que a parceria pode abrir novos caminhos para a agricultura neste momento de crise.

"Desde o início da crise causada pela pandemia, nós recebemos uma determinação do Governador Wilson Witzel para usar força total no apoio aos pequenos produtores. E nós estamos trabalhando para ajudar o produtor rural a manter o seu trabalho e escoar a sua produção, renegociando dívidas, abrindo novas oportunidades de crédito, buscando parcerias com associações de supermercados, tudo pra ajudar o agricultor a continuar produzindo. E essa parceria com a Fundação Banco do Brasil vai abrir uma nova janela de oportunidades. Acreditamos que é um projeto que pode se estender e trazer ainda mais benefícios para os produtores rurais do Rio de Janeiro", afirmou o Secretário.

Para a presidente da Emater-Rio, Stella Romanos, a parceria é uma conquista, pois além de ajudar o produtor rural a escoar sua produção, vai levar alimento de qualidade para as pessoas que mais precisam.

"É com muita alegria que nós anunciamos essa parceria com a Fundação Banco do Brasil. Desde o começo do projeto vários funcionários da Emater-Rio se comprometeram, trabalhando dia e noite, de segunda a segunda, para que a gente conseguisse concretizar essa parceria. Através do trabalho técnico da empresa, estamos respondendo com essa ação aos produtores rurais que tem gargalos na comercialização, identificando e adquirindo os produtos da agricultura e agroindústria com esse perfil. Além disso é muito bom saber que esses produtos frescos, de qualidade, plantados e colhidos com muito carinho e trabalho, vão para as mesas das pessoas que mais precisam neste momento. Eu agradeço a Fundação Banco do Brasil pela oportunidade que temos de ajudar, e dou os parabéns pelas iniciativas para beneficiar os brasileiros neste momento", concluiu Stella Romanos.

Doações

A Fundação Banco do Brasil está recebendo doações para apoiar ações de prevenção e combate ao novo coronavírus. As doações também podem ser feitas por meio de pontos Livelo. As doações por outros meios podem ser feitas no site coronavirus.fbb.org. 

A prefeitura do Rio de Janeiro começa nesta semana a divulgar exigências sanitárias que cada setor regulado pelo município deve seguir quando tiver início a reabertura da economia - Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

A prefeitura do Rio de Janeiro começa nesta semana a divulgar exigências sanitárias que cada setor regulado pelo município deve seguir quando tiver início a reabertura da economia. O prefeito Marcelo Crivella antecipou que as lojas de móveis e as concessionárias de veículos devem estar entre os primeiros setores a terem a atividade autorizada.

Apesar disso, Crivella ponderou que ainda não há data para o início da reabertura e enfatizou que a população deve manter os cuidados. "Queremos que mantenham a distancia, as máscaras e os procedimentos de higiene".

O prefeito concedeu uma entrevista coletiva à imprensa ao lado da secretária Municipal de Saúde, Beatriz Busch, e afirmou que restrições adicionais às que já foram decretadas não estão nos planos da cidade, que agora discute a reabertura com seu conselho científico.

"A expectativa, lentamente, gradualmente, é de irmos abrindo aos poucos. Não temos expectativa de fechar mais. Há um otimismo em nós todos. Há um alento, porque temos muitas altas", disse Crivella, que considerou que a cidade "evitou o caos". " Nós, hoje, dominamos a pandemia, no sentido de que, com as ondas todas que nós prevíamos, não entramos no caos. Tínhamos uma preocupação enorme de que haveria explosão de casos na cidade e não teríamos como atendê-los".

O prefeito afirmou que a fila de transferências e remoções na rede municipal para enfermarias e unidades de terapia intensiva (UTIs) chegou a ter 1,3 mil pessoas, e esse número caiu recentemente para menos de 200.

Nesta semana, a prefeitura deve atingir a totalidade da abertura de leitos no Hospital Municipal Ronaldo Gazolla e no Hospital de Campanha do Riocentro, as duas unidades municipais de referência para covid-19. Os hospitais somarão 880 vagas de enfermaria e UTI, que são destinadas exclusivamente aos pacientes com coronavírus.

Segundo o painel de dados da prefeitura, a rede municipal do Rio tem 792 pacientes internados, sendo 206 em UTIs. A cidade já confirmou 21.775 casos da doença, e 17.911 pessoas se recuperaram.

Novos dados
O total de vítimas da doença na cidade chegou ontem a 2.775, e a prefeitura anunciou que passará a informar, a partir de hoje, o número diário de sepultamentos de vítimas confirmadas de covid-19. Segundo a secretária de saúde, Beatriz Busch, o número é importante para o planejamento do órgão e para a interpretação dos dados por parte da população.

Antes da mudança, a prefeitura divulgava diariamente o número de novas mortes confirmadas por covid-19, o que se dava a partir dos resultados dos laboratórios. A secretária argumentou que esses exames, porém, levam dias para ficar prontos, e não refletem a realidade mais recente.

"Cada vez que um laboratório liberava 300 resultados, aparecia no nosso painel que, nas últimas 24 horas, morreram 300 pessoas de covid-19. E, na verdade, esses resultados não foram colhidos hoje e essas pessoas não morreram hoje".

Apesar de considerar que o dado será mais fidedigno, Beatriz Busch ponderou que o número de sepultamentos não terá a totalidade das mortes daquele dia, já que contabilizará apenas as que tiveram a ação do coronavírus confirmada. Esses números serão atualizados conforme as mortes suspeitas de covid-19 forem confirmadas por exames laboratoriais.

"A preocupação da prefeitura é que a cidade saiba quem está morrendo diariamente de covid-19".

A investigação da prefeitura sobre os sepultamentos também se deu porque chamou a atenção das autoridades municipais que, no mês de abril, houve cerca de 1,3 mil sepultamentos a mais em relação à média mensal. Esses óbitos, segundo Beatriz Busch, não foram causados por covid-19 nem por síndrome respiratória aguda grave.

"Que causas são essas? Isso me permite pesquisar essas certidões e verificar se os nossos pacientes oncológicos, se os cardiopatas estão com déficit de atendimento e a gente precisa corrigir isso".

Outro anúncio da entrevista coletiva foi a realização de uma pesquisa amostral para detectar a presença da doença em comunidades da cidade. Pesquisadores realizarão exames, por amostragem, em favelas e bairros do subúrbio, para acompanhar mais de perto a circulação da doença e a curva de transmissão. De acordo com a secretária de saúde, a pesquisa terá uma margem de erro, semelhante a uma pesquisa de opinião.

Hospital Icaraí e o Hospital e Clínica São Gonçalo decidiram retornar criteriosamente com os procedimentos cirúrgicos eletivos - Foto: Divulgação

Seguindo os cuidados de proteção exigidos pelo Ministério da Saúde e a normatização para a realização de cirurgias eletivas descritas na Resolução CREMERJ nº 307/2020, o Hospital Icaraí e o Hospital e Clínica São Gonçalo decidiram retornar criteriosamente com os procedimentos cirúrgicos eletivos.

Algumas medidas adicionais foram implantadas para a preservação da segurança de todos os pacientes e profissionais da casa, como: o paciente deverá preencher o questionário na chegada ao hospital, previamente à internação, e o mesmo será avaliado pelo anestesista ou cirurgião responsável, além de disponibilizarem andares de internação, elevadores, salas cirúrgicas e UTI específicas para os pacientes eletivos.

As marcações podem ser feitas através do setor de agendamento de cirurgias, através dos telefones: (21) 3176-5389 / (21) 3176-5036 / (21) 98491-0246 ou pelo e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. - Hospital Icaraí e (21) 2109-5065 / (21) 98491-0247 ou pelo e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. – Hospital e Clínica São Gonçalo.

O Hospital Icaraí e o Hospital e Clínica São Gonçalo reiteram o compromisso em seguir todos os protocolos recomendados pelo Ministério da Saúde e Vigilância Sanitária. Zelamos pelo bem-estar da população e de quem necessita dos nossos serviços. Prezamos pelo cumprimento de nossos valores e de nossa missão: salvar e preservar vidas.

Hospital Icaraí:

O Hospital Icaraí, que tem o atendimento cirúrgico em seu DNA, dispõe de um centro cirúrgico com a mais moderna tecnologia para atender cirurgias de grande porte das diversas especialidades.

Dez salas cirúrgicas (três destas com videoconferência para transmissão de cirurgias ao vivo e duas com fluxo laminar para transplantes).

Seis leitos na Unidade Pré-Operatória.

Doze leitos de Recuperação Pós-Anestésica, fundamental para segurança do paciente nas primeiras horas após a cirurgia.

Hospital e Clínica São Gonçalo:

Credenciado a uma extensa rede de convênios, o HCSG é um hospital geral, reconhecido pelo tratamento em casos de alta complexidade, com profissionais capacitados e tecnologia de ponta. Possui equipe multidisciplinar formada por médicos, enfermeiros, farmacêuticos, fisioterapeutas, nutricionistas, além de um staff sempre pronto para o melhor cuidado dos seus clientes e de um corpo clínico aberto que assegura atendimento a diversas especialidades com total qualidade e segurança. O Hospital possui oito salas cirúrgicas.

Iabas vai distribuir os aparelhos pelas unidades de São Gonçalo, Nova Iguaçu, Caxias e Maracanã - Foto: Divulgação

Chegaram na manhã desta segunda-feira (25), no Aeroporto Internacional do Galeão, 135 aparelhos respiradores importados pela organização social Iabas de um fornecedor chinês para serem distribuídos pelos hospitais de campanha do Estado do Rio. Os aparelhos vieram em um avião cargueiro fretado pelo Iabas exclusivamente para trazer os aparelhos da cidade de Shenzhen, na China, com escalas em Miami e Manaus. Os respiradores estão no terminal de cargas do Galeão, já liberados pela Receita Federal e aguardando autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para serem imediatamente levados aos hospitais.

De acordo com o Iabas, os 135 ventiladores vão ser distribuídos pelos hospitais de campanha de São Gonçalo, Nova Iguaçu e Caxias, que serão os próximos a entrarem em operação. Cada um desses hospitais receberá 40 aparelhos, e os outros 15 restantes irão reforçar a UTI do hospital de campanha do Maracanã, já em funcionamento.

Ao todo, o Iabas comprou 500 respiradores da empresa Shenzhen Comen Medical. Um cargueiro com mais 50 respiradores deve sair de Shenzhen ainda esta semana, e outros 50 aparelhos devem ser enviados na semana que vem. O calendário de entrega dos aparelhos comprados na China vai até junho. A organização social diz que já tem 91 aparelhos em operação, e que deve receber outros dez comprados no Espírito Santo. Somando aos 500 comprados na China, os hospitais do Rio vão contar com 601 aparelhos.

Paralisação de prazos de concursos públicos também foi incluída na norma - Foto: Divulgação

A Alerj terá uma comissão especial para fiscalizar os gastos do Estado no combate à pandemia de novo coronavírus. A medida foi incluída na Lei 8794/2020, que reconheceu a calamidade na saúde pública, com a promulgação de dois vetos do governador derrubados pelos deputados da Alerj, na última semana. Os artigos foram publicados no Diário Oficial do Legislativo, na sexta-feira (22).

Com a derrubada do veto, ocorrerá a formação de uma comissão na Alerj composta, em princípio, por cinco deputados permanentes e cinco suplentes. O objetivo do grupo será acompanhar a situação fiscal e orçamentária em relação à atuação de combate a prevenção à Covid-19. Essa comissão poderá atuar através de plataformas digitais, devendo mensalmente se reunir com os secretários de Estado de Saúde e de Fazenda. A cada dois meses, o grupo fará audiência pública e publicará relatório com as principais informações.

Uma das autoras da emenda que se transformou no artigo vetado e validado pela Alerj, a deputada Zeidan (PT) afirma que a comissão será uma ferramenta importante para fiscalizar a execução de obras e contratos para o combate à pandemia. "Assim garantimos a transparência e a fiscalização das ações do governo do Estado durante essa crise, por isso propus a criação da comissão através de emenda ao projeto", destacou. Também será incluída na norma em vigor a paralisação dos prazos de contagem dos concursos públicos até o fim do estado de calamidade.

Calamidade

O governador sancionou parcialmente o reconhecimento e a regulamentação do estado de calamidade pública pelo novo coronavírus e a norma, exigência da Lei de Responsabilidade Fiscal, permite ao Executivo ter mais flexibilidade no orçamento em tempos de crise, podendo fazer contratações e compras de produtos e serviços de forma simplificada.

De acordo com a medida, o prazo da calamidade no Rio vai até 1º de setembro deste ano, podendo ser prorrogado por novo decreto estadual que venha a ser reconhecido pela Alerj. A lei estadual também obriga o Governo do Estado a publicar em seu Portal da Transparência todos os demonstrativos de despesas realizadas para aquisição de produtos ou contratação de serviços durante o período.

Prefeito do Rio diz que leitos estarão disponíveis nos hospitais Ronaldo Gazzola e de Campanha, no Riocentro - Foto: Divulgação

O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, anunciou nesta segunda-feira (25), que nesta semana estarão disponíveis todos os leitos abertos pela prefeitura para o tratamento de pacientes com coronavírus. Em coletiva no gabinete de crise, o prefeito explicou que serão 880 leitos de enfermaria e de UTI nas unidades de referência oara o tratamento da doença: o Hospital Municipal Ronaldo Gazzola, em Acari, e o Hospital Municipal de Campanha, no RioCentro.

"Essa semana nós vamos colocar em disponibilidade todos os leitos. Estamos falando de 880 leitos somente nessas duas unidades, o que para nós é algo que temos a celebrar nessa tragédia toda que temos a lamentar não", afirmou Crivella.

No Rio de Janeiro, já foram treinadas mais de 20 pessoas para atuar em desinfecção - Foto: Divulgação

As Forças Armadas estão capacitando seus contingentes em diversos estados do país para desinfectar áreas públicas. Os militares foram treinados para higienizar áreas como corredores, banheiros, recepções, salas de espera, de medição, triagem e saída de hospitais.

No Rio de Janeiro, os instrutores do Centro de Instrução Almirante Sylvio de Camargo (Ciasc), Organização Militar da Marinha, treinaram mais de 20 pessoas para atuar em desinfecção. Entre elas estão funcionários do Hospital Municipal Dr. Moacyr Rodrigues do Carmo, da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), em Duque de Caxias.

Em Pernambuco, os integrantes do 5º Grupamento de Bombeiros Militares, em Salgueiro, capacitaram militares do 72º Batalhão de Infantaria Motorizado e da Casa do Combatente de Caatinga, por exemplo. Em São Paulo e em Mato Grosso do Sul, também houve capacitação para desinfecção de unidades hospitalares.

As Forças Armadas também estão ajudando famílias em vulnerabilidade social, produzindo e distribuindo alimento para comunidades, indígenas e caminhoneiros. Na Bahia, em Mato Grosso do Sul e vários lugares do país, os militares estão doando sangue para incentivar outros doadores a colaborarem. Houve queda de doadores por causa da pandemia do novo coronavírus.

Número de infectados no estado do Rio poderá chegar a 40 mil no pico da pandemia, previsto para a primeira quinzena de junho - Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Cientistas e pesquisadores da UFRJ acreditam que o número de infectados no estado do Rio de Janeiro poderá chegar a 40 mil no pico da pandemia, previsto para a primeira quinzena de junho. Eles defendem o lockdown (isolamento/bloqueio total) no estado do Rio de Janeiro, caso não haja uma redução rápida na velocidade de transmissão.

A constatação tem como base em dados gerados por modelo computacional desenvolvido pelo Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe/UFRJ). O modelo foi configurado considerando que cada pessoa infectada é capaz de transmitir o vírus para outras 2,46 pessoas em média.

O estudo inclui somente os casos de covid-19 confirmados pela Secretaria de Estado de Saúde do Rio. A pesquisa é coordenada por Guilherme Travassos (Coppe), Roberto Medronho (Faculdade de Medicina/UFRJ) e Claudio Miceli de Farias, (Coppe e Instituto Tércio Pacitti de Aplicações e Pesquisas Computacionais NCE).

Capaz de calcular diariamente as previsões com base na evolução dos dados notificados e disponíveis, desde o início da pandemia, a ferramenta prevê o número de pessoas que poderão ser infectadas pela doença provocada pelo novo coronavírus, bem como estima o número de óbitos em decorrência da doença no estado do Rio, cuja população é de 17,2 milhões.

“O modelo estima que o número de casos de covid-19 confirmados no período de pico deverá chegar a cerca de 40 mil casos notificados, levando em conta que apenas 9% dos casos são notificados. O número de óbitos poderá chegar a 30 mil pessoas ao final da pandemia, de acordo com o modelo utilizado, caso se mantenha o cenário atual, no qual apenas cerca de 50% da população fluminense segue as orientações de confinamento”, alerta Miceli.

Os pesquisadores defendem lockdown imediato como forma mais eficaz, no momento, para poupar vidas e também evitar o colapso no sistema de saúde. A modelagem indica que, durante o pico, serão necessários 800 ventiladores pulmonares novos funcionando, simultaneamente, sem contar os que já estarão em uso pelos pacientes que adoeceram antes.

Medronho, que lidera o Grupo de Trabalho Multidisciplinar para Enfrentamento da covid-19 da UFRJ, explica que as medidas de isolamento social adotadas têm contribuído para reduzir o número de casos, mas que não são suficientes para eliminar a necessidade de o estado precisar contar com milhares de leitos e inúmeros respiradores.

“A adoção do lockdown é necessária, tendo em vista o comportamento da população até o momento e a insuficiência de infraestrutura hospitalar do Rio de Janeiro. É a forma mais eficaz de frear a contaminação de pessoas. Os países que adotaram essa medida, como a França, já estão retornando suas atividades. O mesmo já poderia estar acontecendo no Rio de Janeiro, caso isso fosse feito”, lamenta Medronho, acrescentando que, caso a vacina não chegue a tempo, enfrentaremos uma segunda onda de epidemia, cujo período ainda não é possível estimar.

Famílias como a da dona Joana Darc recebem o Cartão Cesta Básica, distribuído pela Secretaria Municipal de Educação - Foto; Marcelo Piu/Prefeitura do Rio

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Educação, entregará, a partir desta segunda-feira (25), e até o dia 9 de junho, mais 24.625 cestas básicas a famílias de alunos da rede municipal. Os benefícios serão entregues para quem solicitou a cesta básica através do link disponibilizado pela SME. A Secretaria já distribuiu cerca de 210 mil cartões e cestas básicas para os alunos desde o início da pandemia. No primeiro momento, a prioridade é para as famílias que se encontram em situação de maior vulnerabilidade: inscritos em programas sociais, desempregados, autônomos e MEIs. A entrega está sendo de forma escalonada, seguindo as orientações dos órgãos de saúde, para que não haja aglomeração em função da pandemia do novo coronavírus. Nesta etapa, serão atendidos alunos das regiões da 2ª,3ª, 5ª, 7ª e 9ª Coordenadorias Regionais de Educação (CREs).

É fundamental que as famílias compareçam nos dias, locais e horários marcados pela SME para que a distribuição ocorra de forma organizada.

Solicitação de cestas

A Secretaria Municipal de Educação fez uma análise de 105 mil inscrições disponíveis no link para a solicitação das cestas básicas. O resultado do levantamento indicou que, deste quantitativo, 38 mil cadastros eram de pessoas sem filhos vinculados à Rede Municipal de Ensino; 7 mil já estavam cadastrados no Bolsa Família ou Cartão Família Carioca e já seriam contemplados com o cartão Cesta Básica, e os demais tiveram o registro confirmado e receberão o benefício, bastando aguardar a convocação.

Para ampliar o atendimento às famílias dos alunos da Rede Municipal de ensino, a SME já distribuiu também mais de 230 mil litros de leite para alunos dos segmentos de creche, ensino infantil e pré-escola.

Além disso, manteve as escolas municipais abertas para oferecer merenda durante os primeiros dias de suspensão das aulas. Mas o Sindicato dos Professores entrou na Justiça pedindo o fechamento total das escolas. Na sequência, a SME entregou 1.500 cestas básicas para famílias dos alunos que foram almoçar nos dias 16 e 17 de março, quando as unidades escolares ainda estavam abertas oferecendo refeições-antes da Justiça acatar a ação do Sepe.

Mais Artigos...

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.