28
Qui, Maio

Dia 24 de maio é comemorado o Dia Nacional do Café - Foto: Divulgação

O café cultivado no Estado do Rio de Janeiro é reconhecido pela excelente qualidade e por possuir aroma intenso e os mais diversos sabores, com inúmeras variações de corpo e acidez. Além do café tradicional, o Estado se destaca na produção dos cafés especiais, cujos grãos são cultivados e colhidos em condições especiais e, após rigorosa avaliação de especialistas, atingem notas de 80 a 100 pontos.

A secretaria de Agricultura, a Emater-Rio e a Pesagro-Rio desenvolvem um programa contínuo de fortalecimento da cadeia produtiva do café através da promoção de capacitação aos produtores nas mais modernas técnicas de plantio, manejo, colheita e pós colheita de café, justamente em busca da melhora da qualidade do produto.

No período da quarentena, além da manutenção do programa, foram reforçadas as parcerias institucionais da secretaria e suas vinculadas com entidades como Sebrae-RJ, ASCARJ-Associação dos Cafeicultores do Estado do Rio de Janeiro, a plataforma digital de vendas Jaeé e o Rio Coffee Nation, no intuito de facilitar o escoamento da produção.

"A melhora na qualidade do café produzido no Estado está totalmente vinculado ao trabalho realizado na ponta pela Emater-Rio e a Pesagro-Rio, que vem sendo reforçada nos últimos meses pela partição intensa de instituições como o Sebrae-RJ, a ASCARJ e outras que colaboram para melhoria da produção e do distribuição do produto", explicou Marcelo Queiroz, secretário de Agricultura.

O Estado do Rio de Janeiro produz cerca de 16 mil toneladas de café por ano e, só em 2019, o setor movimentou cerca de R$ 89 milhões. Na atualidade, mais de 70% da produção de café do Rio de Janeiro está concentrada na Região Noroeste Fluminense e cerca de 25% na Região Serrana Fluminense.

"O Rio de Janeiro possui uma qualidade excepcional nos cafés, estamos entre os melhores do país e também estamos sendo reconhecidos fora do Brasil. Os cafeicultores do estado trabalham duro para manter a qualidade e a produção com excelência. O apoio da secretaria tem sido fundamental nessa questão", Daniel Bastos, superintendente de Marketing da ASCARJ-Associação dos Cafeicultores do Estado do Rio de Janeiro.

Cafés também na modalidade delivery

A parceria entre a secretaria de Agricultura e a plataforma Jaeé (www.jaeemkt.com.br), firmada desde o início do período da pandemia, ajuda os pequenos agricultores de frutas, legumes e verduras e, agora, se estende para a venda de cafés especiais.

"Começamos disponibilizando a cesta de legumes e hortaliças e tivemos um ótimo resultado. Como a produção de cafés também precisava de um apoio, resolvemos ajudar e contar com mais esse produto na venda online. Nosso lema é proporcionar às pessoas a experiência de ter produtos do campo direto na sua mesa e ainda apoiar a agricultura familiar", disse Fred Weissmann, um dos sócios da empresa Jaeé.

Os idealizadores do Rio Coffee Nation, evento dedicado ao segmento de cafés especiais e cafés orgânicos e que está com sua primeira edição no RJ prevista para acontecer em outubro participa dessa parceria.

"Os cafés especiais do Brasil são maravilhosos, eles não deixam nada a desejar aos melhores do mundo. No RJ temos capacidade profissional e boa produção, por isso decidimos incentivar esse setor, trazendo para a cidade um evento que é um dos melhores do mundo, uma edição do Paris Coffee Show. O RJ tem potencial para se tornar a capital nacional do café especial. E Esta é uma forma de estimular os produtores e apresentar a excelência das plantações nacionais", afirma Martina Barth, uma das idealizadoras do Rio Coffee Nation.

A medida aguarda votação do plenário da Casa Legislativa - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Tramita na Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj), o Projeto de Lei nº 2271/2020 que, caso aprovado, autorizará o Executivo fluminense a conceder o parcelamento do Imposto Sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) para o exercício de 2020, no estado do Rio.

O deputado estadual Capitão Nelson (Avante), autor do PL, afirma que a medida é justa, dado o cenário de crise provocado pelo novo coronavírus (covid-19). “Os impactos econômicos do coronavírus já são sentidos por todos os cidadãos do estado do Rio. O Governo do Rio deve facilitar o pagamento de tributos para que o cidadão fluminense honre seus compromissos”, disse o parlamentar.

A medida aguarda votação do plenário da Casa Legislativa.

Corte será no DAS, quantia paga referente ao cargo dos profissionais - Foto: Marcos de Paula/Prefeitura do Rio

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, irá reduzir até 50% do DAS dos secretários do município. A quantia é referente ao cargo exercido pelos profissionais.

O valor será destinado ao combate à covid-19. Segundo Crivella, ele abriu mão de toda sua remuneração a fim de destinar a quantia ao combate à doença.

Subsecretários e presidentes de empresas públicas também terão redução no DAS, mas em percentual menor, de 30%. O valor também será destinado para o combate ao coronavírus.

Órgão deu prazo máximo de 60 dias, para Alerj fazer adequações necessárias no Portal da Transparência contido em seu site - Foto: Divulgação

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio da 6ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa da Cidadania, ajuizou no último dia 07/05 uma Ação Civil Pública, em face da Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj), do seu presidente, deputado estadual André Ceciliano, e do Estado do Rio, para que a Casa Legislativa promova, no prazo máximo de 60 dias, as adequações necessárias no Portal da Transparência contido em seu site, atendendo às disposições contidas nas Leis nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação) e 101/2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal) e prestando contas de suas ações à população.

O objetivo da ação é fazer com que a Alerj dê pleno acesso à sociedade de suas informações orçamentárias, fiscais e de gestão de pessoal, indevidamente omitidas. De acordo com a inicial encaminhada à Justiça, o MPRJ recebeu diversas denúncias de irregularidades na ocupação de cargos comissionados na Alerj, como a apropriação ilícita de parte da remuneração por parlamentares e servidores da Casa e o excesso de cargos comissionados quando comparados com o número de servidores efetivos.

Mesmo passando a vigorar em todo o território nacional, desde 2012, a Lei de Acesso à Informação, a ALERJ não a regulamentou no âmbito do Estado do Rio e não implementou em seu Portal da Transparência todas as informações exigidas pela lei federal. A ausência de plena transparência destas informações dificulta o controle social como instrumento de participação democrática e a devida fiscalização por órgãos oficiais de controle do Estado, facilitando a ocorrência de casos de corrupção e o desperdício de recursos públicos, destaca a ACP.

Desta forma, requer a Promotoria de Justiça que a Alerj, em um prazo de 60 dias, também execute as seguintes ações, entre outras: assegure que o Portal da Transparência contenha, em tempo real, informações orçamentárias e financeiras, despesas com a verba indenizatória destinada aos parlamentares, com passagens e diárias, bem como quantidade e valor das diárias concedidas e repasses aos fundos ou institutos previdenciários; detalhe, mensalmente, os gastos com pessoal, a exemplo de relação dos nomes dos parlamentares e dos servidores ocupantes de cargos de provimento efetivo, comissionado e cedidos que integrem o quadro de pessoal do Poder Legislativo; publique, também mensalmente, as remunerações discriminadas, incluindo subsídio ou vencimento, gratificações, auxílios, triênios, diárias, indenizações e quaisquer outras verbas pagas aos parlamentares e aos servidores, a qualquer título; crie o Serviço de Acesso às Informações Públicas ao Cidadão (SIC), através de seu site ou com protocolo local em condições apropriadas, além do controle eletrônico de frequência, com instalação de leitores biométricos nas dependências da Casa; e, por fim, permita a consulta de fácil acesso à listagem de todos os que integram gabinete parlamentar ou órgão da estrutura administrativa da Assembleia, com indicação do cargo/função, atribuição, data de ingresso/saída, remuneração, afastamentos, relatório de atividades externas e demais informações permanentes ao devido controle.

Dias de aulas suspensos serão objeto de reposição em momento oportuno - Foto: Divulgação

A Secretaria Municipal de Educação de Duque de Caxias cumprirá as determinações do decreto  nº 7.587, de 22 de maio de 2020. De acordo com o art. 14, ficam suspensas, até 15 de junho de 2020, as aulas na rede pública municipal, sem prejuízo da manutenção do calendário escolar recomendado pelo Ministério da Educação, devendo a Secretaria Municipal de Educação e a Fundação de Apoio à Escola Técnica, Ciência Tecnologia, Esporte, Lazer, Cultura e Políticas Sociais de Duque de Caxias (FUNDEC) expedirem ato infralegal para regulamentar no âmbito exclusivo das unidades de ensino as medidas de que tratam o presente Decreto, ficando mantida rotina administrativa nas sedes dos respectivos órgãos. O documento ainda reforça que os dias de aulas suspensos serão objeto de reposição em momento oportuno.

Concessionária protocolou pedido de relicitação - Foto: Marcelo Feitosa

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) analisa pedido da concessionária Arteris Fluminense para devolução da concessão do trecho entre Niterói e a divisa entre o Rio de Janeiro e o Espírito Santo da Rodovia BR-101.

De acordo com a ANTT, O processo de devolução precisa ser avaliado em sua admissibilidade, conforme determina a legislação. A Lei Federal 13.448/17 é o instrumento criado pelo governo federal que permite a chamada devolução amigável e relicitação das concessões de infraestrutura. Após a avaliação técnica/regulatória, a Agência encaminha o resultado desta análise sobre o pleito, com os devidos encaminhamentos ao Ministério da Infraestrutura.

A lei prevê que, em caso de fim do contrato de concessão de forma amigável, deve haver o processo de relicitação. O procedimento compreende a extinção amigável do contrato de parceria e a celebração de novo ajuste negocial para o empreendimento, em novas condições contratuais e com novos contratados, mediante licitação promovida para esse fim. A relicitação do contrato de parceria será condicionada à celebração de termo aditivo com o atual contratado (Arteris).

Caso seja confirmada a relicitação, a mesma lei prevê a suspensão das obrigações de investimento vincendas a partir da celebração do termo aditivo e as condições mínimas em que os serviços deverão continuar sendo prestados pelo atual contratado até a assinatura do novo contrato de parceria, garantindo-se, em qualquer caso, a continuidade e a segurança dos serviços essenciais relacionados ao empreendimento.

Cabe ressaltar que existem obras e melhorias na rodovia em andamento, geridas pela Arteris. A reportagem de O FLUMINENSE questionou a ANTT e a Arteris Fluminense sobre a situação obras em específico, mas não obteve resposta.

Por meio de nota, a Arteris confirmou que protocolou na terça-feira (19), junto à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), nos termos da Lei nº 13.448/2017, o pedido de relicitação do trecho da BR-101/Norte-RJ, administrado pela concessionária Arteris Fluminense.

A Arteris reforça o seu comprometimento com a infraestrutura do Brasil e seguirá prestando todos os serviços de atendimento aos usuários da BR-101 até que sejam cumpridos todos os procedimentos previstos no processo de relicitação.

MPRJ, MPF e DPU interpõem recurso para que Justiça determine a adoção de medidas visando à organização das filas de atendimento na Caixa - Foto: Alex Ramos

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) em conjunto com o Ministério Público Federal (MPF) e a Defensoria Pública da União (DPU), interpôs, na quarta-feira (20), agravo de instrumento com pedido liminar de antecipação de tutela contra decisões proferidas pelo Juízo da 3ª Vara Federal do Rio de Janeiro, nos autos de ação civil pública (ACP.

A ACP foi ajuizada em face da Caixa Econômica Federal, da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev), da União e do Estado do Rio, requerendo a adoção de medidas para agilizar o pagamento do auxílio emergencial em função da pandemia de Covid-19, bem como garantir a segurança da população nas aglomerações e filas que se formam nas agências da citada instituição bancária.

Decisão já proferida determinou à Dataprev que proceda a análise conclusiva dos dados cadastrais dos beneficiários do auxílio no prazo máximo de cinco dias, a partir da data do respectivo cadastro no aplicativo digital da Caixa, e que esta pague o referido valor, mediante depósito na conta indicada pelo beneficiário, também no prazo máximo de cinco dias. A Justiça determinou ainda a observação do horário mínimo de funcionamento da agências e formação de um banco de profissionais de sobreaviso, habilitados e capacitados para o atendimento aos requerentes, para rápida substituição em caso de afastamento de funcionários infectados.

O agravo de instrumento agora apresentado busca o deferimento de todos os pedidos constantes da petição inicial que não foram atendidos na decisão anterior, proferida em 08/05. Dessa forma, requer, especialmente, a articulação entre todos os réus para evitar a aglomeração de pessoas nas filas que se formam nas vias públicas, até a porta das agências da Caixa, bem como a adoção de medidas preventivas de caráter sanitário, tais como espaçamento de dois metros entre as pessoas, distribuição de máscaras, dentre outras.

Assim, os agravantes, com base na Legislação que determina a necessidade de adoção de medidas preventivas ao contágio, com destaque para o isolamento social, e observando estudos da área de Saúde, determinações sanitárias e até mesmo decisões de outros juízos, requerem que sejam revisados os pedidos não deferidos pela 3ª Vara Federal do Rio de Janeiro, para determinar o funcionamento e abertura de todas as agências bancárias em horário estendido, de 8h às 18h, inclusive aos sábados e domingos, enquanto durar a pandemia e o pagamento do auxílio; a organização das filas com distância mínima de dois metros, conforme preceitua o Ministério da Saúde; a demarcação no piso das agências; e a distribuição de senhas com hora marcada para atendimento, sem prejuízo do atendimento presencial.

O recurso apresentado pede ainda outras medidas, como a constante limpeza do ambiente, sem prejuízo dos grandes procedimentos de limpeza e descontaminação fora do período de atendimento (à noite ou de madrugada); a disponibilização de máscaras e produtos para higienização das mãos aos usuários e funcionários; a regularização do funcionamento de todos os terminais de autoatendimento/caixas eletrônicos, internos e externos; a destinação de equipe para auxiliar o atendimento presencial e promover a organização e o controle das filas externas; com garantia de atendimento prioritário a pessoas idosas e com deficiências.

Obras estão atrasadas e podem ser interrompidas. Hospital de São Gonçalo (foto) é um dos que não foram abertos - Foto: Divulgação

O secretário estadual de Saúde, Fernando Ferry, admitiu que alguns hospitais de campanha que estão em atraso podem sequer ser inaugurados, por conta dos atrasos da organização social Iabas, contratada para prestar o serviço, e da evolução positiva da pandemia, com redução da demanda pelos leitos.

Das seis unidades programadas para tratar pacientes com a covid-19, apenas a do Maracanã foi entregue. Estão atrasados hospitais de São Gonçalo, Nova Iguaçu, Duque de Caxias, Nova Friburgo, Campos dos Goytacazes e Casimiro de Abreu. Enquanto isso, há 340 pacientes na fila de espera por leitos de UTI e 238 por enfermarias.

A Iabas emitiu uma nota à imprensa sobre a possibilidade de paralisação das obras. “Caso as curvas de incidência de covid-19 venham determinar a possibilidade técnica da descontinuidade da implantação dessas unidades, afirmamos, muito sinceramente, que estaremos felizes em paralisar nossas operações”, diz o comunicado.

De acordo com Ferry, em caso de desistência da construção de qualquer unidade, o dinheiro investido será devolvido aos cofres do Estado. Cabe ressaltar que o Governo disponibilizou R$ 1 bilhão para o combate à doença, sendo R$ 836 milhões destinados somente à Iabas, com a OS tendo recebido um adiantamento de R$ 256 milhões.

"A gente está vendo que, gradativamente, está diminuindo o número de casos. Isso faz parte da epidemia. Se a gente perceber que isso vai continuar, a gente vai deixar de construir as unidades e o valor será devolvido para o erário", disse Fernando Ferry, na noite de quinta-feira (22), durante entrevista à TV Globo.

A previsão inicial era que todos os hospitais estivessem funcionando até o dia 30 de abril. Mas desde então aconteceram diversos atrasos, com apenas as unidades do Parque dos Atletas e Leblon (construídas com apoio da iniciativa privada) e Maracanã postas em funcionamento. Veja, a seguir, o último cronograma de entrega das obras, divulgado pela Iabas:

São Gonçalo - 27 de maio
Nova Iguaçu - 29 maio
Duque de Caxias – 1º de junho
Nova Friburgo - 7 de junho
Campos dos Goytacazes - 12 de junho
Casimiro de Abreu - 18 de junho

Ao todo, serão plantadas mais de 18 mil mudas de espécies da Mata Atlântica. Trabalho é feito com mão de obra da comunidade local - Foto: Hudson Pontes/Prefeitura do Rio

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, iniciou o reflorestamento da encosta da Avenida Niemeyer, no trecho que sofreu deslizamento de terra em abril de 2019 devido às fortes chuvas. No total, serão 18.110 mudas de espécies nativas da Mata Atlântica, entre árvores e capim, que vão restaurar a parte afetada. A medida é fundamental para garantir a cobertura florestal na área, além de agir preventivamente para evitar novos deslizamentos. 
 
De acordo com o secretário municipal de Meio Ambiente, Bernardo Egas, que visitou o local nesta quarta-feira (20/05), a reposição vai aumentar a capacidade de infiltração do solo e diminuir o impacto direto da chuva, que favorece a ocorrência de deslizamentos de terra. - Inicialmente, a Prefeitura fez uma grande obra de contenção em toda a Niemeyer, e agora na área mais prejudicada é reflorestada com mais de 18 mil mudas em 7,5 mil metros quadrados. A implantação será entregue em 2 meses e depois há uma manutenção que ocorre nos próximos dois anos, para também evitar incêndios - explicou o gestor.   
 
Envolvimento com a comunidade
Toda a mão de obra usada pela Prefeitura é de trabalhadores da comunidade local, o Vidigal. Diariamente, o operário Cléber da Silva Almeida, um dos dez responsáveis pelo replantio, sobe e desce a encosta para garantir a recuperação da área. – Antes, isso aqui era uma mistura de tronco retorcido com barro. Tudo foi retirado pela Prefeitura e começamos o trabalho de cavar, adubar e, agora, de plantar mudas de aroeira, goiabeira, pitangueira e mamoeiro – contou. 
 
Para ele, a iniciativa favorece não só os moradores da região, mas toda a cidade e a biodiversidade. – É bom para nós e para a natureza, que aos poucos vai voltando a ocupar o seu lugar. Aqui vemos micos, cobras, passarinhos. É muito gratificante olhar e pensar que eu estou ajudando a recuperar isso aqui – destacou o trabalhador. 
 
Responsável pela coordenação da obra, a paisagista Sara Botelho, também moradora do Vidigal, ressaltou a importância do trabalho para a comunidade, já que muitos estavam desempregados. – Em tempos de pandemia, nossa comunidade saiu fortalecida por conta desse medida, que ajudou as famílias desses operários. Mais pra frente, vamos olhar para a encosta e dizer aos nossos netos e bisnetos que fizemos parte dessa reconstrução. Esse é o legado que queremos deixar – reforçou. 
 
Como será feito o replantio

Uma das espécies está sendo plantada na encosta é o capim Vetiver, considerado eficiente na contenção por possuir raízes que penetram por mais de cinco metros no solo. A parte superior da encosta, uma área de mil metros quadrados, será coberta com 8 mil mudas desse tipo. Lá, os técnicos construíram uma canaleta com sacos de terra, onde serão plantadas outras 520 mudas de capim. Essa estratégia vai diminuir a velocidade da água das chuvas, desviando a enxurrada e reduzindo a erosão e danos ao solo.
 
O reflorestamento foi planejado para ser executado em três áreas distintas. Além da parte superior, onde predomina o capim Vetiver, na área intermediária, de cima para baixo, serão plantadas outras 5 mil mudas de árvores de pequeno e grande portes. Para esta área foram escolhidas Aroeira, Jurema, Araçá, Ingá, Cafezinho, Canudo de Pito, Aleluia, Goiabeira, entre outras. 
 
Nos acessos internos formados por duas rampas de 60 metros de comprimento, serão plantadas 3.840 mudas de capim para facilitar o acesso dos trabalhadores na manutenção da área no futuro. Na parte inferior, próxima à pista da Avenida Niemeyer, onde a GeoRio construiu barreiras de concreto, serão plantadas 750 mudas de árvores de grande porte.
 
Investimentos

O reflorestamento da encosta levará dois anos para ser concluído e o investimento de R$ 360 mil será pago pelo cumprimento de medidas compensatórias – o pagamento de penalidades impostas a empresas que causaram algum dano ao meio ambiente -, sem ônus para a Prefeitura do Rio.
 
Esta é a última etapa da intervenção da Prefeitura feita pela GeoRio e pela Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação para a estabilização do local. Foram alocados mais de R$ 34 milhões em 56 intervenções ao longo da avenida para o restabelecimento do sistema de drenagem, eliminação de vazamento de esgoto e a instalação de muros de contraforte e cortinas atirantadas.
 
Segurança na Niemeyer

Depois do grande deslizamento de terras, em abril de 2019, a Prefeitura do Rio por meio da GeoRio e da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação promoveu várias intervenções na Niemeyer. Além das obras de estabilização da encosta, foram demolidas 34 casas em situação de risco e 34 famílias passaram a receber aluguel social. Outras 17 construções ainda serão demolidas.
 
Ligação entre os bairros de São Conrado e Leblon, na Zona Sul, a Avenida Niemeyer faz parte do eixo que vai da Zona Oeste ao Centro da cidade por onde circulam diariamente 36 mil veículos por dia. As intervenções com obras na via garantem a segurança para o tráfego de veículos, pedestres e moradores.
 
Desde janeiro a Secretaria Municipal de Infraestrutura e Habitação criou a Comissão de Monitoramento e Avaliação de Encostas da Avenida Niemeyer com a missão de atuar de forma preventiva. Em caso de chuvas de 38 milímetros em uma hora, com ventos de até 70 km/hora, a via será fechada ao tráfego. Este índice está bem abaixo dos 110 milímetros de chuva por hora e ventos de 130k/hora que a via suporta.

A lei foi proposta pelo deputado estadual Jair Bittencourt (PP), com coautoria de outros 40 deputados - Foto: Divulgação

O governo estadual poderá suspender por 120 dias o desconto das mensalidades de empréstimos em geral e consignados firmados pelos servidores efetivos e comissionados. Lei autorizativa 8842/2020 foi sancionada pelo governador Wilson Witzel e publicada nesta sexta-feira (22) em Diário Oficial.

A lei proposta pelo deputado estadual Jair Bittencourt (PP), com coautoria de outros 40 deputados, também proíbe a posterior incidência de juros, multa, correção monetária ou qualquer acréscimo e atualização nas parcelas durante o estado de calamidade pública (decretado em decorrência do novo coronavírus), além de vetar que o servidor tenha seu nome negativado nos sistemas de proteção de créditos em função da suspensão dos pagamentos.

A lei atende a servidores efetivos da ativa, comissionados, aposentados e pensionistas, mas não se aplica aos descontos sindicais que sejam realizados através do sistema de consignação.

A sanção pelo governador abre caminho para a Casa Civil regulamentar a lei, após renegociar contratos com os bancos, que hoje descontam os empréstimos nos contracheques dos servidores.

“Uma boa notícia para o funcionalismo público do estado, agora seguimos trabalhando para o governador colocar em prática o quanto antes a lei. Não é calote, são quatro meses para muitas famílias se reorganizarem financeiramente e depois honrarem o pagamento das parcelas dos empréstimos. Um alívio nesse momento em que os gastos com alimentação e saúde, principalmente, são maiores devido ao coronavírus”, afirma o deputado estadual Jair Bittencourt, que assina a autoria da lei junto com Filippe Poubel (PSL), Renato Cozzolino (PRP), Alana Passos (PSL), Capitão Paulo Teixeira (Republicanos), Bruno Dauaire (PSC), Thiago Pampolha (PDT) e outros 34 deputados.

Iniciativa visa combater a Covid-19 nas comunidades - Foto: Divulgação/Cedae

Nesta sexta-feira (22), a Cedae leva às comunidades Juramentinho, Fubá (Campinho), Morro da Caixa D’água (Quintino), Vila São Miguel (Curral das Éguas), Juramento e Engenho da Rainha o programa de sanitização que vem realizando desde o mês de abril.

A iniciativa, que visa combater a Covid-19, é uma ação complementar ao saneamento nas comunidades do Rio de Janeiro e é realizada por empresa especializada contratada pela Companhia. (abaixo programação atualizada)

A desinfecção é conduzida por agentes especializados, com equipamentos de proteção individual (EPIs), que utilizam nebulizador a frio para borrifar produto com efeito desinfetante (quaternário de amônia de quinta geração e biguanida polimérica - phmb) nas vias e equipamentos públicos das localidades.

A técnica e princípio ativo do são os mesmos utilizados pelo governo chinês em ruas daquele país como forma de combate ao novo coronavírus. O produto age como uma película que mata os micro-organismos do local (vírus, bactérias, fungos e ácaros) e mantém a superfície desinfetada por até 30 dias, dependendo da ação externa e circulação de pessoas.

Desde o início do programa, já foram atendidas as comunidades do Vidigal; Vila Parque da Cidade; Chácaras do Céu; Mangueira; Tuiuti; Barreira do Vasco; Jacarezinho; Rio das Pedras; Muzema; Tijuquinha; Vila da Paz; Cidade de Deus; Praia da Rosa e Sapucaia (Ilha do Governador); Rocinha; Complexo da Maré; Complexo do Dique; Furquim Mendes; Vigário Geral; Parada de Lucas; Complexo do Alemão; Complexo de Manguinhos; Arará; Complexo da Penha; Complexo do Caricó; Complexo do Turano; Ladeira dos Tabajaras; Morro dos Cabritos; Cantagalo; Pavão e Pavãozinho; Providência; Pedra Lisa; Silva Vale; Jardim Primavera (Cavalcanti); Complexo do Urubu; as comunidades do Guarabu e Morro do Dendê (Ilha do Governador); Complexo de Acari; Mata Machado, Tijuaçu e Furnas (Alto da Boa Vista); Morro da Formiga; Meringuava (Taquara); Vila Kennedy; Carobinha (Campo Grande); Vila Aliança (Bangu); Vila União de Curicica, Batan; Jardim Novo; Comunidade da Light; Cosme e Damião; São Sebastião; Frederico Falhauber e Vila João Lopes.

O serviço é realizado diariamente, de segunda-feira a sábado. Segue abaixo a programação até sábado (23). (O cronograma de cada semana será divulgado na semana anterior):

22/5 – Juramentinho

22/5 – Fubá/ Campinho

22/5 – Morro da Caixa D’água (Quintino)

22/5 – Vila São Miguel (Curral das Éguas)

22/5 – Juramento

22/5 – Engenho da Rainha

23/5 – Cidade Alta

23/5 – Picapau

23/5 – Brás de Pina (Cinco bocas)

23/5 – Complexo do Chaparral

23/5 – Complexo do Caju

Para ter acesso aos quizzes e games inovadores, em um ambiente de aprendizagem colaborativa, com conteúdos alinhados à Base Nacional Comum Curricular, e avaliação em tempo real, acesse: https://bit.ly/Plataforma-SESI-para-Sociedade .

 

Mais Artigos...

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.