28
Qui, Maio

Gestores de saúde já estão em alerta com interiorização do coronavírus no país

Levantamento foi feito a partir da análise dos dados de pesquisa do IBGE - Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Coronavírus
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A interiorização da epidemia da Covid-19 já é uma preocupação real entre os gestores municipais, estaduais e federais. De acordo com a última análise do Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (Icict/ Fiocruz), o crescimento de casos da doença no interior do país está chegando de forma acelerada aos municípios de médio porte. O levantamento foi feito a partir da análise dos dados de pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Inicialmente a epidemia da Covid-19 no Brasil, começou a se disseminar nas grandes metrópoles do país. No entanto, nas últimas semanas de acordo com a analise de pesquisadores da Fiocruz, 44% das cidades brasileiras com 20 mil e 50 mil habitantes passaram a notificar casos de pessoas infectadas pelo coronavírus. O levantamento apontou ainda que a tendência é que os pequenos municípios também sejam atingidos nos próximos dias em decorrência dos ciclos de transmissão. Acesse o link para verificar lista de municípios.

Sistema MonitoraCovid-19

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), criou uma plataforma para monitorar a evolução dos casos e óbitos em decorrência, o chamado Sistema MonitoraCovid-19. O objetivo do painel é apresentar uma estimativa da situação da doença nos estados brasileiros e configurar o cenário nacional.

Recentemente a instituição por intermédio da avaliação do Sistema MonitoraCovid-19, divulgou nota técnica registrando a preocupação com a tendência de crescimento de casos da doença em cidades de médio e pequeno porte. A nota construída pelos pesquisadores da Fiocruz destaca ainda, que metade das regiões para onde a doença está se disseminando apresenta poucos recursos para atender as necessidades de saúde pública na atual situação da pandemia.

O médico infectologista da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Júlio Croda destaca que a interiorização do coronavírus para essas regiões mais carentes é preocupante. “É um grande problema a interiorização porque a maioria dos estados concentram os seus leitos de terapias intensivas nas grandes cidades. A maioria desses interiores não tem leitos de UTI. Principalmente no Norte e no Nordeste onde a doença está mais avançada e onde já faltam leitos de terapia intensiva nas capitais. Tanto que algumas já decretaram o lockdown”, ressaltou.

Alguns municípios brasileiros já começam a enfrentar o problema da falta de leitos, como é o caso do município de Itamaraju, localizado no sul do estado da Bahia. “A região de Itamaraju está com 70 casos e não tem nenhum leito de terapia intensiva disponível. Se a gente tem 70 casos, estima-se que 20% precisa de um leito de UTI, ou seja, 14 pessoas poderão se internar em ambiente hospitalar e desses 5% precisam de um leito de terapia intensiva”, disse o médico infectologista Júlio Croda.

Outra preocupação relevante relacionada ao fenômeno da interiorização é o funcionamento do próprio sistema de vigilância nesses municípios, como ressalta Júlio Croda. “Além disso, o serviço de vigilância epidemiológica para investigação de possíveis contatos e testagem é precário. O acesso a coleta de exames, a testagem e o monitoramento do isolamento geralmente são feitos por uma única pessoa, que exerce diversas outras atividades nesses pequenos municípios. Então, é com bastante preocupação que a gente observa esse fenômeno de interiorização”, disse.

Já o supervisor do Núcleo de Desenvolvimento Social da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Denilson Magalhães, alerta que a interiorização dos casos da Covid-19 também está ocorrendo no momento em que a equipe médica está transferindo um paciente de um município pequeno para o atendimento de média e alta complexidade nos grandes centros.

“No momento de transferência de um paciente de um município menor para um município de referência, onde ele vai precisar de uma internação hospitalar ou até mesmo de uma UTI, a equipe que transfere esse paciente até o município maior, quando retorna ao seu município de origem, essa equipe já está infectada. Isso está provocando uma disseminação do coronavírus em território nacional”, destacou Magalhães.

O supervisor do CNM, Denilson Magalhães, ressalta ainda sobre o movimento da população em busca das cidades que ainda não registram casos da Covid-19, como busca de proteção. “As pessoas que residem nesses grandes centros urbanos, estão em busca das pequenas cidades. As vezes pela sua origem familiar. Esse movimento de pessoas entre os grandes centros urbanos e municípios menores tem provocado uma disseminação em território nacional”, disse.

De acordo com Denilson Magalhães para evitar a disseminação do coronavírus nessas cidades de médio e pequeno porte, a Confederação Nacional de Municípios tem orientado os gestores com o intuito de monitorar o movimento da população. “Nós temos pedido e orientado aos nossos gestores, inclusive dos municípios menores que acompanhem todas as medidas que o governo do estado está adotando. Se ele está fazendo restrição, isolamento social, isolamento domiciliar. Que o município acompanhe, por mais que não tenha nenhum caso. Monitore e oriente a sua população sobre o problema”, afirmou Magalhães.

Pesquisa IBGE

A análise dos pesquisadores do Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (Icict/ Fiocruz), levou em consideração o estudo do IBGE que se baseia no conceito de Regiões de Influência das Cidades (Regic). A ideia coloca os municípios em uma nova distribuição regional, de acordo com o relacionamento e o deslocamento entre cidades, provocado pela necessidade do atendimento à saúde.

Para mais informações acesse: www.portal.fiocruz.br

Inscreva-se através do nosso serviço de assinatura de e-mail gratuito para receber notificações quando novas informações estiverem disponíveis.